Melz Assessoria de imprensa

Três tipos de influenciadores digitais e como a sua marca pode interagir com eles
10/02/2017

[Sabrina Hoffmann, que acompanha centenas de postagens relacionadas ao segmentos dos seus clientes]

Já parou para pensar por que, ao comprar determinado produto, escolhe a marca A ao invés da B? Talvez você nem perceba, mas na maioria das vezes é influenciado pela opinião de outras pessoas. Podem ser os seus amigos ou aquele artista famoso. O fato é que, ao ouvir alguém falar bem de determinada marca, a gente tende a optar por ela.

Foi assim que surgiram os tais influenciadores digitais: pessoas – famosas ou não – que transformaram a sua presença nas redes sociais em uma profissão. É um novo formato de publicidade, que está em alta e é apontado como tendência em marketing digital para 2017.


Talvez você esteja se perguntando: qualquer pessoa pode ser um influenciador digital? E a resposta é sim. Desde que ela esteja disposta a se dedicar a essa profissão. Hoje existem três tipos de influenciadores e, antes de partir para a ação com eles, a sua marca precisa entendê-los e avaliar qual é o caminho mais certeiro. Veja quais são:

Primeiro tipo: no marketing de influência, os primeiros perfis utilizados em ações de grandes empresas foram os de pessoas famosas. Artistas com um grande número de seguidores, que agora recebem cachê não mais para estrelar um comercial tradicional, mas para utilizar um produto e contar o que achou dele em suas redes sociais.

Segundo tipo: como o sucesso desse investimento e a relação custo-benefício ficou evidente, começaram a surgir as personalidades da internet. São aquelas pessoas desconhecidas nas mídias tradicionais, como a TV por exemplo, mas que acabaram ganhando fama por seu trabalho na web.

Youtubers e blogueiros se encaixam bem nesse perfil. E não raro eles acabam chegando até mesmo à TV, ao cinema e às livrarias, tamanha a sua visibilidade. Vide Kéfera, Jout Jout e Porta dos Fundos.

Terceiro perfil: e os micro-influenciadores, quem são?
Se você ainda não ouviu falar em marketing de influência e está em dúvida se deveria partir para esse tipo de estratégia, 2017 vai acabar com as suas dúvidas. Isso porque neste ano os influenciadores digitais são apontados como uma das principais tendências para a área de marketing. E os micro-influenciadores são a cereja do bolo.

Aqui estamos falando de perfis bem menores, com até 10 mil seguidores. Mas que possuem um carisma incrível com um público específico e, pasme, entregam resultados muito acima do esperado.

Por que devo realizar ações com influenciadores?
A gente lista não um, mas quatro bons motivos:

– Todo mundo está na internet. Isso significa que as mídias tradicionais estão perdendo espaço, enquanto a web continua crescendo. O seu público com certeza também está conectado. Segundo a eMarketer, até o fim do ano serão 3,45 bilhões de pessoas online em todo o globo. Desse total, 78% dos usuários estarão conectados por meio de um celular.

– As pessoas querem opiniões reais. E é isso o que os influenciadores digitais se propõem a fazer. Eles testam o seu produto e mostram para o seu público, produzem conteúdo humanizado para a marca. É muito mais impactante do que ter que acreditar que a Xuxa usa Monange em um comercial de TV tradicional.

– Eles geram resultado. Basta olhar a pesquisa da Nielsen, que revelou que 92% das pessoas acreditam mais em recomendações de amigos ou pessoas mais próximas do que em qualquer outra forma de propaganda. Quer mais um motivo? Que tal números? Um estudo da Takumi identificou que influenciadores com até mil seguidores geram engajamento de até 9.7%, cinco vezes mais do que perfis com mais de 100 mil seguidores. Os micro-influenciadores também se engajam 22 vezes mais em conversas sobre produtos do que o consumidor comum. E 82% dos consumidores declararam que consideram fortemente uma ação de compra a partir da recomendação de um micro-influenciador.

– As ações cabem no seu bolso. Basta contar com uma equipe especializada para ver que o custo-benefício é visível. Aqui na Melz, por exemplo, fizemos um amplo estudo de influenciadores que falem diretamente com o público-alvo da marca interessada em realizar a ação. Analisamos o perfil, o direcionamento das postagens, o impacto delas. A partir daí escolhemos os influenciadores que mais se identificam com a empresa para então partir para a ação. Tudo isso de forma dinâmica e rápida, sabendo exatamente quem iremos atingir. Em geral, a companhia tem apenas o custo dos produtos e o envio deles.

Confira mais conteúdos do nosso blog:
– Redes sociais: sobre panfleteiros e fórmulas prontas
– O que eles dizem sobre nós: parte 1!
– Comunicação: por que é uma boa ideia incluir no planejamento de 2017
– Visualizado: porque as interações nas redes sociais vão além dos posts e dos likes