Melz Assessoria de imprensa

[16/09/2011] Se a Dilma usa…
16/09/2011

Em entrevista veiculada recentemente ao Fantástico, a presidente Dilma disse que lê e-books em iPad, mas prefere livros de papel. Ficou confuso? Então explicamos. E-book é a abreviação de electronic book, ou seja, livro eletrônico. Basicamente, é uma mídia digital como qualquer arquivo de texto que você lê no computador.

Mas como se dá esta transição e como funciona um livro digital? Um e-book nada mais é que o conteúdo de um livro formatado para ser lido digitalmente, em qualquer aparelho eletrônico que consiga ler arquivos de texto. “A opção de utilizar um tablet como um iPad é do usuário. Normalmente é a escolha óbvia por ser menor, mais leve e mais portátil se comparado a um computador”, comenta Ana Bilbao, diretora da Hi Soluções, centro de serviço autorizado Apple. Outro equipamento muito usado por quem gosta de e-books é o Kindle. Ele tem o formato de um tablet, com bateria para durar horas e horas e espaço para milhares de títulos. O Kindle é considerado por muitos uma biblioteca portátil. “Apesar de ser uma ótima opção para os leitores, este dispositivo é limitado a apresentar textos e imagens sem interação”, adverte Rodrigo Camargo, diretor da Honorsoft Interactive, empresa de desenvolvimento de aplicativos para as plataformas Apple e Android.

Mas como adquirir um e-book? Lojas on-line vendem os títulos a preços muito mais acessíveis, se comparados aos seus “avós” de papel por não exigirem matéria prima na fabricação e remover quase por completo custos de transporte. O processo é simples: você faz o cadastro em um site que vende livros digitais. Após procurar e encontrar o título que você quer adquirir, você realiza a compra e faz o download do e-book, que virá em um dos vários formatos disponíveis. Caso você tenha baixado para o computador e queira ler um tablet, basta transferi-lo e abrir com o software necessário. Em tablets com conexão internet e Kindles, é possível acessar o site e baixar direto para o aparelho. Para quem prefere ler em papel, a solução é simples: como o livro digital vem em um arquivo de texto, você pode imprimir para ler fisicamente. Claro, respeitando que é proibido a impressão para fins comerciais.

A modalidade do livro digital está cada vez mais forte por três motivos: portabilidade, acessibilidade e sustentabilidade. Você pode carregar centenas de livros no aparelho sem se preocupar com o peso. É possível adquirir exemplares que só estão disponíveis do outro lado do mundo em segundos, por um preço muito mais generoso que o livro físico. E, por fim, um motivo que não foi pensado inicialmente, mas que tem sido visto como algo importante cada vez mais fortemente: não é necessário papel ou tinta para sua produção.

Graças a esta tecnologia, empresas estão aproveitando para transformar suas mídias de papel em mídias eletrônicas. Um exemplo é a empresa Guia Fácil, que produz listas telefônicas com contatos residenciais e comerciais de todo o estado de Santa Catarina. Com o uso de smart phones e tablets sendo cada vez mais comum, eles resolveram fazer uma parceria com a Honorsoft. O resultado é a lista telefônica Guia Fácil em versão digital, disponível para download na AppStore, loja de aplicativos para plataforma Apple e, ainda este ano, no Android Market.