Fisioterapia dá nova perspectiva para pacientes com esclerose múltipla

Há cerca de 10 anos, Maria de Lurdes Knoth descobriu que tinha esclerose múltipla após um repentino problema de visão. A doença autoimune, que afeta o cérebro e a medula espinhal (sistema nervoso central) e compromete os impulsos, afeta atualmente mais de 30 mil pessoas só no Brasil.

A fisioterapia, aliada a medicação, faz parte da rotina de Maria, que leva uma vida normal. “Com a doença controlada, consigo fazer todas as atividades do dia a dia. Cuida da casa, ando de moto, ouço música. Após sofrer algumas crises nestes 10 anos, hoje vivo como qualquer outra pessoa”, conta.

Segundo a fisioterapeuta da Long Life Fisioterapia, Katiara Fernanda Costa, responsável pelas sessões de Maria, o tratamento humanizado é um dos principais cuidados que os profissionais precisam ter na hora de tratar desses pacientes. Ela explica que cada caso é avaliado individualmente e os programas de exercícios são exclusivos.

“O fisioterapeuta, através de uma minuciosa avaliação, avaliará quais as limitações e necessidades do paciente, e desta forma recomendará quais exercícios serão mais ou menos interessantes”, conta.

Controle da doença passa pela fisioterapia
Os problemas causados pela esclerose múltipla se manifestam de diferentes formas, dependendo de cada paciente e do estágio da doença. De forma geral, é comum eles apresentarem fadiga associada à diminuição na força muscular, espasticidade, atáxia e déficit de equilíbrio. Para isso, uma das modalidades utilizadas pela Long Life Fisioterapia é o Pilates. Ele pode ser praticado por todos os pacientes com esclerose múltipla, independente da severidade da doença, salvo situações em que haja alterações cognitivas.

“Exercícios moldados para uma pessoa com esclerose múltipla interferem no seu bem-estar, qualificando as funções existentes e reduzindo as incapacidades já instaladas. Entre os benefícios estão a melhora na circulação e na respiração, ganho ou manutenção da força muscular, aumento na flexibilidade, melhora na correção postural e em alguns casos, evoluções nos tratamentos de incontinências”, avalia Katiara.

Ela lembra ainda que o apoio da família e os cuidados fora da clínica também contam na hora de controlar o problema. Alongamentos globais ativos em casa, exercícios aeróbicos de baixo impacto com acompanhamento, como caminhadas, por exemplo, e os cuidados com as posturas adotadas no dia-a-dia são fundamentais. “É importante o fisioterapeuta orientar os familiares em relação às AVD’s (atividade de vida diárias), quanto mais o paciente as realizar, maior será sua independência”, ressalta.

Maria de Lurdes concorda com a fisioterapeuta e diz que, além das evoluções alcançadas com o tratamento, o apoio da família é fundamental. “Meus filhos me dão muita força pra continuar, estão sempre do meu lado”, finaliza.

Sobre a Long Life Fisioterapia
Criada em 1999, a Long Life Fisioterapia integra o Grupo Long Life, que também conta com academia. A fisioterapia hoje é o principal segmento do grupo, que desenvolve também atividades em reabilitação, hidroterapia, plataforma vibratória, psicologia, RPG, auriculoterapia e estética. Atualmente a Long Life Fisioterapia é referência quando se trata de saúde ocupacional. Atuando de forma eficiente no trabalho de ergonomia, ginástica laboral e conscientização dentro das indústrias, possui mais de 30 clientes atendidos regularmente, em diversas cidades catarinenses.

Fisioterapia auxilia no tratamento da esclerose múltipla. Imagem: Shutterstock
Fisioterapia auxilia no tratamento da esclerose múltipla. Imagem: Shutterstock