Blumenau inova para consolidar o título de Capital Nacional da Cerveja

De 10 a 15 de março, Blumenau (SC) recebe os nomes mais importantes do mercado cervejeiro. Nos dias 10 e 11, acontece o julgamento do II Concurso Brasileiro da Cerveja com os mais importantes nomes do setor do Brasil e cinco especialistas internacionais. De 12 a 15, cerca de 40% das 232 cervejarias brasileiras estarão na cidade para o Festival Brasileiro da Cerveja, que neste ano deve reunir aproximadamente 30 mil pessoas no Parque Vila Germânica.

Junto a essas duas iniciativas, acontecem palestras e workshops, brasagens colaborativas entre cervejarias brasileiras e internacionais, a premiação do I Prêmio Randy Mosher de Design de Rótulos realizado pela Cervejaria Colorado e dezenas de outras atividades.

Outro acontecimento importante marcado para o período é a primeira assembleia da Associação Brasileira das Microcervejarias (ABM). Fundada em novembro de 2013 e com uma gestão provisória desde então, a entidade programou a primeira eleição para o dia 14 de março em Blumenau (SC). O motivo da escolha foi a importância do Festival Brasileiro da Cerveja para o cenário nacional.

Também foi anunciada na última semana a implantação da Escola Superior de Cerveja e Malte, primeira escola superior na bebida da América Latina. Durante o Festival Brasileiro da Cerveja ocorre o lançamento oficial da entidade, que é responsável pela programação técnica de palestras e workshops.

Por conta dessa soma de fatores, a Secretaria de Turismo de Blumenau, o Parque Vila Germânica e o Empório Vila Germânica apostam na consolidação de Blumenau como Capital Brasileira da Cerveja.

Para o secretário de turismo, Ricardo Stodieck, o título é a formalização de uma realidade construída por empreendedores e cervejeiros que sempre estiveram na cidade. Também destaca o papel da Oktoberfest que, apesar de ter uma proposta completamente diferente do Festival Brasileiro da Cerveja, também contribuiu de maneira preponderante para que a cidade fosse vista como Capital Nacional da Cerveja.

A relação de Blumenau com a cerveja
Blumenau já produzia cerveja bem antes de se tornar um município. Antes da então colônia completar uma década, o imigrante Heinrich Hosang instalou na região onde hoje está o bairro Victor Konder a primeira cervejaria blumenauense. A iniciativa foi seguida por muitos outros empreendedores da época e alguns anos depois foi inaugurada a Cervejaria Feldmann, uma das mais populares e longevas da região.

Registros históricos afirmam que ao final do século XIX, Blumenau possuía uma dúzia de cervejarias, já despontando como um sítio de fabricantes da bebida no país.

Em 1954, a Feldmann, então a última cervejaria sobrevivente na cidade, fechou suas portas. Mas a cultura cervejeira e a intenção de preservar a cultura dos primeiros imigrantes do Vale não foram esquecidas.

Desde a década de 1970 falava-se em fazer uma réplica da festa alemã Oktoberfest – ideia que foi posta em prática em 1984. Na década seguinte o evento já era nacionalmente denominada como a “festa da cerveja”.

Em 1996, renasce a produção de cerveja na região do Vale do Itajaí, com a inauguração da Cervejaria Continental, em Blumenau, e a Cervejaria Bork, em Timbó. No mesmo ano foi criado no município blumenauense o Museu da Cerveja, o primeiro museu do país com esse tema e atualmente o mais visitado da cidade.

A década seguinte foi marcada pelo surgimento das cervejarias artesanais blumenauenses e de municípios vizinhos. Em 2002 foi inaugurada a Eisenbahn em Blumenau. No ano seguinte, a cidade ganha também a Bierland. Nos anos seguintes outros produtores inauguram cervejarias em Brusque, Gaspar, Jaraguá do Sul, Pomerode, Lontras, Joinville e Forquilhinha.

Em 2005, as cervejarias do Vale Europeu passaram a participar da Oktoberfest – fato que gerou uma das maiores e mais positivas repercussões nacionais tanto para o evento quanto para a produção cervejeira de Blumenau e do Vale do Itajaí. Neste mesmo ano, acontece a primeira edição do Festival Brasileiro da Cerveja, idealizado por Norberto Mette, então Presidente da Proeb, e por Juliano Mendes, fundador da Eisenbahn, e organizado pela Práxis Feiras e Congressos. Devido ao pouco público e baixo número de expositores o evento não foi repetido nos anos seguintes.

Mesmo já sustentando um status quo de polo nacional cervejeiro, Blumenau ainda sentia falta de um evento técnico do ramo cervejeiro. Foi então, que em 2010 a dupla que idealizou a primeira edição do Festival contando com o apoio e suporte de Valmir Zanetti, fez com que o Festival Brasileiro da Cerveja renascesse. O evento foi, desta vez, organizado pelo Parque Vila Germânica e Empório Vila Germânica, e com porte mais robusto, realmente se firmou como evento de impacto e influencia no mercado nacional.

Ricardo Stodieck falou sobre as novidades do evento | Imagem: Daniel Zimmermann
Ricardo Stodieck falou sobre as novidades do evento | Imagem: Daniel Zimmermann