Arrecadação de alimentos será promovida pela Cerveja Blumenau

Marina Melz,
que também fará sua parte na arrecadação de alimentos

O domingo (26) vai oferecer para os moradores da região uma chance de apoiar as famílias mais atingidas com os impactos do coronavírus. Isso porque a Cerveja Blumenau, marca que completa cinco anos em 2020, vai realizar a primeira edição do Drive-thru Solidário. Ao doar cinco quilos de alimentos não perecíveis, os consumidores levam para casa dois litros de cerveja: um da tradicional Pilsen e outro da Confraria Hazy IPA com goiaba criada com a colaboração da 5 Elementos, Narcose, Trilha e Suricato que será entregue com exclusividade aos doadores. 

A ação acontecerá das 9h às 13h na fábrica (Rua Arno Delling, 388, no bairro Itoupavazinha). Com ela, as entidades beneficiadas serão: Associação de Amigos, Pais e Portadores de Mielomeningocele (AAPPM), Associação Puro Amor e Casa de Acolhida São Felipe Néri.

Segundo o diretor da Cerveja Blumenau, Valmir Zanetti, a cervejaria está disponibilizando um volume da bebida que possibilita a arrecadação de 5 toneladas de alimentos. Além disso, “nós entendemos que é o momento de fazer a diferença na vida das famílias mais afetadas pela crise causada pelo novo coronavírus. Por isso, estamos disponibilizando o que temos de mais precioso: os nosso produtos. Esperamos que o público compareça e apoie também”, comenta. 

Nesse sentido, o modelo de drive-thru foi escolhido exatamente por evitar o contato desnecessário entre os entregadores e o consumidor. Por isso, todos os cuidados de higienização serão tomados. 

Doador poderá levar uma Pilsen e uma Hazy IPA para degustar em casa

Com arrecadação de alimentos dois litros de cerveja podem ser levados para a casa

Ao doar os cinco quilos de alimento não perecível, o consumidor ganha dois litros de cerveja num growler pet. São duas experiências sensoriais diferentes com a bebida.

Uma delas é a Hazy IPA com goiaba que foi criada, além da Cerveja Blumenau, pelas cervejarias 5 Elementos, Narcose, Trilha e Suricato. Ela também teve o apoio da LNF e da Agrária Maltes. “Essa é uma cerveja muito significativa. São cinco cervejeiros experientes e marcas que são respeitadas pelo público. Além disso, usar uma receita com tanto conhecimento para apoiar famílias que estão passando por momentos difíceis torna essa receita ainda mais especial para todos nós”, comenta Marcos Guerra, cervejeiro da Blumenau.

Esse rótulo tem teor alcoólico de 10,5% e 60 IBUS (taxa que mede o amargor que vai de 0 a 120). Os lúpulos usados foram Galaxy, Enigma e El Dourado. 

Já a Pilsen é uma das mais tradicionais da linha da Cerveja Blumenau. O estilo, que combina com todos os dias, tem aroma maltado e sabor leve de malte e lúpulo. É dourada, límpada e tem a espuma generosa que os apaixonados gostam. Nesta, o teor alcoólico é de 4,30% e a o IBU é 10 (taxa que mede o amargor e vai de 0 a 120).

Isolamento social altera rotina em Blumenau (SC)

Ca Souza
aquela que entendeu rapidinho que só com isolamento social vamos passar por essa 

Não faz muito tempo que a vida mudou completamente. Antes de uma pandemia atingir o mundo, a vida seguia uma rotina, muitas vezes até monótona, para quase todos no planeta. Mas agora as coisas estão bem diferentes. Nunca se falou ou se fez tanto home office quanto nas últimas semanas. As escolas e universidades fecharam e passaram a ter aulas em formato de EaD. As academias estão fechadas, assim como os shoppings, cinemas, teatros. Eventos foram cancelados. E os passeios em família já não acontecem mais. 

Em isolamento social mãe está com a filha no colo enquanto trabalha em home office

Todavia, existem muitas pessoas que estão aproveitando o isolamento social para inovar. Seja no profissional, seja na vida em família. Para Rosane Schmitt, analista da Justiça Federal e mãe de duas crianças – uma de sete e outra de quatro anos – a rotina ganhou novos ares. “Estou sentindo na pele o que a minha mãe sentia quando tinha que ficar em casa com os filhos o dia inteiro. Mas também, aprendi a apreciar mais o tempo com eles”, conta. 

Para as crianças ter muito tempo livre pode ser um problema, por isso, Rosane e o marido estão sempre buscando formas de entretê-los, sem apelar para os equipamentos eletrônicos. “Temos uma casa com uma grande área externa e um cachorro, o Flecha. Então incentivamos que eles passem a maior parte do dia na rua, brincando”, conta. Além disso, os pequenos dividem o tempo com as atividades escolares feitas à distância e com a ajuda dos pais.

“Nos fins de semana entramos na cozinha. Já fizemos pizza – desde a massa até o recheio – preparamos amêndoa para a Páscoa, e até bolos. Tenho procurado incentivá-los para cuidar e auxiliar nas coisas da casa”, completa. Ela conta que também não esqueceu dos cuidados com a sua saúde mental no período. “Estou trabalhando em home office, então tenho mais essa preocupação também. Comecei a praticar meditação, tendo assim um tempo pra mim e pro meu autocuidado”, finaliza. 

Adaptação ao trabalho em home office

Certamente, há quem ache que trabalhar de casa é um sonho. Mas, a realidade é bem mais desafiadora. Para a jornalista Carol Sperb foi assim. Apesar de já ter um horário de trabalho mais flexível, Carol precisou se adaptar a uma nova rotina com o seu colega do apartamento, Guilherme, quando ambos entraram em quarentena. “O apartamento é pequeno, então usamos a mesa da sala como nossa estação de trabalho. Foi preciso jogo de cintura para se adaptar, porque apesar de nós dois atuarmos na área de comunicação, cada um tem um jeito de trabalhar”, conta. 

Na equação e na vida deles entrou mais uma pessoa: a namorada da Carol. “Ela conseguiu um emprego aqui em Blumenau (SC) e veio morar com a gente. Como levou uns dias pra ela iniciar no trabalho, o horário em nós estávamos trabalhando, ela ficava no quarto. Depois, ela entrou na nossa dinâmica”, explica. A mesa virou a principal estação de trabalho, e quando todos estão ali é o sinal que o expediente começou. “Se alguém vai pro sofá, a gente já sabe que é o momento de lazer. Ou a pessoa tá em um break ou o expediente dela já terminou. Foi a solução que encontramos para três pessoas de diferentes setores trabalharem de casa, sem ninguém incomodar ninguém”, complementa.      

Ter um espaço separado para a realização do home office é uma das primeiras e principais dicas dos especialistas. Mas não é todo mundo que consegue.

Poucas mudanças no isolamento social

Juliana Ambrosio, é estudante de jornalismo, casada e mãe de dois filhos. A sua rotina não mudou muito desde que a quarentena começou, afinal ela já trabalhava de casa. Mas é preciso de muito jogo de cintura para dar conta de tudo. “Eu já era meio doida, agora então a coisa tá um pouco pior”, comenta rindo. Juliana ensina sobre marketing digital para empresas em suas redes sociais. “Tenho os vídeos para produzir e gravar, responder as perguntas que surgem, auxiliar os clientes ativos, buscar por novidades, aprender mais sobre a minha área e ainda cuidar da casa inteira, trocar fralda e ficar de olho nas tarefas escolares da minha filha mais velha. Tudo isso e ainda arrumar tempo pra ser esposa também”, explica. 

A verdade é que desde que a quarentena começou, seja em menor proporção ou não, as vidas de todos foram alteradas. As relações à distância alcançaram outras percepções. O trabalho em casa virou destaque e até mesmo uma opção que deve continuar para muitos. O tempo em família ganhou mais atenção e apreciação. E as rotinas mostraram o seu valor. A certeza que fica é que depois que todo esse período de isolamento social acabar, nada mais será como antes.

Podcasts na quarentena: 5 opções para curtir

Ca Souza
aquela que descobriu que ouvir podcasts na quarentena é legal 

Se algum dia alguém chegasse e me dissesse que eu iria gostar de ouvir podcasts, eu certamente chamaria esse ser de maluco. Não me levem a mal, fãs do gênero, só que prefiro ouvir música ao invés de alguém falando sem parar na minha orelha. Mas, os tempos mudaram. A minha opinião também. E agora estou viciada em podcasts na quarentena.

Esses dias me peguei fuçando o Spotify em busca de novos programas, a fim de me distrair das notícias e conversas sobre o coronavírus. Encontrei episódios de humor, que falavam sobre futebol, meditação, motivação e até alguns que não falavam coisa com coisa, mas eram legais. Enfim, me vi rendida e encantada pelo universo do podcast. Segue aqui uma sugestão de cinco podcasts que eu acredito que vale a pena conhecer:

1 – Donas da P@#$% Toda

Primeiramente, vou começar com elas pelo simples motivo que se não fosse o Donas, eu não teria nem dado uma chance aos podcasts da vida. Portanto, se você pensa em empreender, a Larissa Guerra e Marina Melz têm algumas coisinhas pra te dizer. Escute. Vale a pena.

2 – Laurinha Lero

Esse podcast fala sobre coisas. Muitas coisas aleatórias. É isso. E é legal. Muito legal. Como resultado, te faz rir, te faz pensar porque você está ouvindo as bobagens, mas você não para. Vale a pena em tempos loucos como o que estamos passando, para distrair a mente dos problemas e das preocupações.

View this post on Instagram

autorretrato autoconfiante

A post shared by laurinha lero (@laurinhalero) on

3 – Correspondentes Premier

Como uma boa fã da Premier League, esse podcast caiu como uma luva pra mim. Os programas são feitos não apenas pelos repórteres da ESPN, João Castelo Branco, Natalie Gedra (rainha maravilhosa), Mauro Cezar Pereira e Paulo Andrade, como também há a presença de convidados especiais. A proposta é falar sobre os bastidores do campeonato, as novidades e apresentar matérias exclusivas para os ouvintes. Vale muito a pena para os apaixonados pelo futebol da terra da rainha!

4 – Estamos Bem?

Um jeito mais legal e divertido de viver a vida. Essa é a proposta do podcast dos jornalistas Bárbara dos Anjos Lima e Thiago Teodoro. Toda semana é feita uma conversa descontraída sobre diversos temas. Entre os assuntos estão amizade, solidariedade, sucesso, saúde mental e outros. Além disso, há um bônus para os fãs de Friends: todos os episódios se chamam “Aquele que” e completa com o assunto da semana. ;)

5 – Hodor Cavalo

Antes de mais nada quero dizer que amo os livros de Game of Thrones, mas sofri muito com o desenrolar da série. Ainda assim, poder ouvir mais sobre as teorias e as histórias do incrível universo criado pelo George R. R. Martin é muito bom. Míriam Castro (Mikannn), Carol Moreira e Flávia Gasi leem e discutem os livros da série, capítulo por capítulo nesse podcast incrível. All men must die, mas antes podemos ouvir Hodor Cavalo.

Aplicativo Blu Help reúne serviços da região

Ca Souza
a louca dos apps que adorou o aplicativo em Blu Help

Os aplicativos presentes nos celulares e computadores estão sendo os melhores amigos de muita gente em tempos de isolamento social. Afinal, é através deles que podemos nos aproximar dos amigos e parentes. E ainda manter uma rotina de exercícios, trabalho e diversão. São eles também que trazem os artistas para dentro das nossas casas. E é com eles que podemos continuar comprando alimentação através de delivery e ajudar os negócios da região direto do sofá. 

Aplicativo Blu Help mostra serviços ativos na região

A fim de encontrar uma solução para saber onde comprar durante o período de quarentena, o Caio Albuquerque, designer de interação, criou um aplicativo. No dia 24 de março, ele lançou o Blu Help, um app que mostra os serviços ativos de entregas e retirada em Blumenau (SC). “Estava conversando com uns amigos sobre formas que poderíamos fazer compras sem sair de casa e sem perder muito tempo procurando por lugares que tivessem o serviço de delivery. Então veio a ideia”, conta.

Cerca de 180 serviços já estão cadastrados e mais de duas mil pessoas utilizaram o app. Além de ajudar os negócios que estão ativos, ou seja, trabalhando durante o isolamento social, o aplicativo também reforça a ideia do #fiqueemcasa. “Com alguns cliques dá para encontrar os estabelecimentos mais próximos que estão atendendo. Estamos com cinco categorias: mantimentos, refeições e lanchinhos, serviços, bebidas e outros”, complementa Caio. 

Todos podem ajudar o serviço a crescer

Qualquer pessoa ou estabelecimento pode cadastrar o local que está realizando os serviços de delivery ou retirada no balcão. “Assim esperamos que a rede possa crescer mais rápido e mais locais e pessoas possam ser beneficiadas”, ressalta. 

Então, faça como o Caio e todos os outros que estão usando o Blu Help: acesse blu-help.glideapp.io, encontre os estabelecimentos ativos em Blumenau (SC) ou cadastre o seu negócio.

A Casa de Apoio precisa do seu auxílio

Nádia Fontes,
há mais de dois anos, junto com a Melz, colaborando com a Casa de Apoio de Blumenau (SC), por meio das divulgações na imprensa

A Casa de Apoio de Blumenau (SC) conta com 71 pacientes do Vale do Itajaí em tratamento oncológico e síndromes raras. Os atendimentos são gratuitos tanto para as crianças, como para os pais que, em alguns casos, necessitam de apoio psicológico. Todo o recurso da entidade vem por meio de doações, ações e campanhas realizadas ao longo do ano.

Uma das rendas da Casa é o bazar que ocorre mensalmente, além do pedágio, que é anual. Porém, com as medidas de restrição de enfrentamento ao coronavírus, a arrecadação através desses meios ficou inviável.

A última edição do pedágio seria realizada no fim do mês de março, mas uma alternativa encontrada pela entidade para manter os fundos foi a realização de uma edição virtual da ação. “Ficamos muito emocionados com as ajudas que recebemos neste período. São essas atitudes que nos motivam e dão forças para continuar, no entanto tendo em vista a necessidade pela qual estamos passando, estendemos a campanha de arrecadação até o dia 30 de abril”, destaca a presidente da entidade, Adriana Kreibich da Costa.

Segundo ela, para manter as despesas básicas da Casa como água, luz, folha de pagamento e o tratamento dos pequenos é preciso de uma rede de solidariedade.

A Casa de Apoio fica localizada na Rua La Paz, número 38, no bairro Ponta Aguda

Como ajudar a Casa de Apoio

Quem puder e quiser colaborar com a entidade basta realizar doações direto na sede da entidade ou pelas seguintes contas:

Viacredi – banco 085 agência 0101- 5/ conta corrente 873.9846 – CNPJ: 06789418000106

Banco do Brasil: agência 2307-8 / conta corrente 1.259 510.1 – CNPJ: 06789418000106.

“Precisamos muito de ajuda neste momento delicado para manter a atenção voltada às nossas crianças. Torcemos para que essa fase passe logo e tenhamos o menor prejuízo financeiro, social e psicológico possível”, complementa.

A Casa de Apoio é a única instituição do município a auxiliar no tratamento oncológico infantil. Serviços de fonoaudiologia, assistência social, fisioterapia e psicologia são oferecidos no local. É uma entidade privada mantida através da gestão de empresários voluntários e auxílio da comunidade.

Que tal fazer sua parte? Mesmo com pouco, certamente estará contribuindo para a alegria de muitas famílias. Afinal, são muitos sonhos e vidas envolvidas.

Facebook
LinkedIn
Instagram