Kalvelage lança nova vodka premium brasileira

A Kalvelage foi fundada há menos de dois anos, em novembro de 2013, e já conquistou três prêmios internacionais. A Vodka Kalvelage, primeira bebida da empresa catarinense, foi a única vodka da América Latina a receber medalha de ouro no San Francisco World Spirits Competition 2015. No ano anterior, foi a única brasileira premiada na mesma competição, ganhando uma medalha de prata, e a única das Américas premiada no Hong Kong International Wine and Spirits Competition 2014, com mais uma medalha de prata.

Todas essas conquistas serviram de inspiração para a criação de uma nova vodka, a Kalvelage Vibe, que chega ao mercado em outubro. A característica dessa bebida é ser premium. O que marca essa diferença entre a primeira é o tipo de cereal utilizado e os processos de produção. As embalagens também são de tamanhos diferentes: enquanto a Kalvelage tem 750 ml, a Vibe tem um litro.

Para Marcos Kalvelage, um dos idealizadores das bebidas, o objetivo é colocar à disposição dos apreciadores mais uma vodka de qualidade. “O produto chega ao mercado como mais uma opção aos consumidores e para atender um perfil de apreciador que se preocupa com a qualidade e com o custo benefício da bebida”, explica.

A Kalvelage Vibe estará disponível através de distribuidores nos estados da Bahia, Espírito Santo, Paraná, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e São Paulo. Consumidores de todo o país podem adquirí-la por meio dos e-commerces Vodka Social Club e Domus Vini.

Kalvelage Vibe chega às gôndolas ainda em outubro. Imagem: Daniel Zimmermann

Kalvelage Vibe chega às gôndolas ainda em outubro. Imagem: Daniel Zimmermann

Caipirinha: 6 dicas para melhorar o mais imbatível dos drinks brasileiros

Para nós, brasileiros, a caipirinha é tão tradicional que a impressão é de que todos sabem fazer. Também pudera. No verão, o drink é presença constante na praia ou na piscina. No inverno, acompanha outra receita que é a cara do Brasil: a feijoada. Mas, para aqueles que são exigentes quando o assunto é o que beber, algumas coisas são fundamentais.

E, para não ter erro, o mestre alambiqueiro e um dos idealizadores da Vodka Kalvelage, Marcos Kalvelage, separou seis dicas essenciais. Para ele, a escolha de uma bebida de qualidade é o primeiro passo. “Não importa se a ideia é usar a cachaça, como na receita tradicional, ou então vodka ou rum. Mas é importante que seja uma marca de qualidade reconhecida e que você confia para não colocar tudo a perder”, diz.

Abaixo os seis itens especiais de acordo com Marcos:

Copo
O primeiro passo, segundo Marcos, é escolher o copo ideal. No caso da caipirinha, ele sugere o curto. “O copo baixo faz toda a diferença. A caipirinha precisa ser feita direto nele, nunca em uma jarra, por exemplo, para servir aos amigos”.

Gelo
Prefira o gelo em cubo, feito de água filtrada ou mineral, para não alterar o sabor final da caipirinha.

Adoçar
Tradicionalmente, uma ou duas colheres de açúcar branco são utilizadas. “Mas para quem quer um drink mais saudável, pode optar pelo tipo demerara ou orgânico. E, ainda, para quem prefere que não fiquem restos de açúcar no fundo copo, é possível fazer um xarope simples em casa”, lembra Marcos. Confira a receita abaixo.

Não use a coqueteleira
A caipirinha deve ser feita direto no copo sempre, com os gomos do limão para cima – para facilitar na hora de macerar – e o açúcar. Em seguida, acrescenta-se 50 ml de bebida e o gelo até completar o copo.

Como cortar o limão
O ideal é cortar o limão ao contrário do que costumamos cortar a laranja, por exemplo. Ou seja, a forma certa é entre a base e o local que estava preso ao caule. Depois, corta-se ao meio novamente.

Descascar ou não descascar?
Muitas pessoas descascam o limão, por acharem que dessa forma a caipirinha não vai ficar amarga. “Na verdade, o que deixa o sabor amargo é o interior do limão, aquela parte branca. Por isso, a casca não precisa ser retirada, mas o miolo sim. Lembrando que se for degustar a caipirinha sob o sol, é importante tomar de canudo, pois o limão é composto por substâncias que podem queimar a pele no sol”, conclui Marcos.

Como fazer o xarope:
Leve 250 ml de água ao fogo. Quando ferver, acrescente 250g de açúcar e mexa até dissolver. Espere esfriar. O xarope pode ser guardado na geladeira por cerca de um mês.

Sobre a Kalvelage
Produzida em Botuverá (SC) pela empresa Kalmae, a Vodka Kalvelage chegou ao mercado em novembro de 2013 como opção nacional em bebidas ultrapremium. É fabricada a partir de cereais brasileiros e o produto final possui uma graduação alcoólica de 40%.

Em 2015, foi a única vodka da América Latina a receber medalha de ouro no San Francisco World Spirits Competition. No ano anterior, foi a única brasileira premiada na mesma competição com uma medalha de prata e a única das Américas premiada com prata no Hong Kong International Wine and Spirits Competition 2014.

A vodka está disponível através de distribuidores nos seguintes estados: Bahia, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e São Paulo, com expansão prevista para outros estados em curto prazo.

Caipirinha: drink clássico brasileiro. Imagem: Daniel Zimmermann

Caipirinha: drink clássico brasileiro. Imagem: Daniel Zimmermann

Internacionalização da Vodka Kalvelage é objeto de estudo de grupo da University of Notre Dame

Depois de ser reconhecida com a medalha de ouro no San Francisco World Spirits Competition, uma das premiações mais importantes do mundo dos destilados, a Vodka Kalvelage dá mais um passo em direção ao mercado externo. A empresa catarinense foi selecionada por um grupo de formandos no MBA em Administração da University of Notre Dame (de Indiana, nos Estados Unidos) para o trabalho de conclusão de curso.

O grupo esteve no Brasil na última semana para conhecer o parque fabril, em Botuverá (SC) e também a estrutura administrativa em Blumenau (SC). A missão dos acadêmicos é criar um plano de negócios para viabilização da exportação da bebida produzida aqui para os Estados Unidos.

Além de entrevistas com os sócios, eles também estiveram na Cervejaria Bier Vila para conversar com um cliente que revende a bebida no seu restaurante. Os responsáveis pelo marketing também foram ouvidos.

De acordo com Marcos Kalvelage, o desejo de exportar a vodka é antigo. “As premiações internacionais nos deram mais força para atingir o mercado externo de maneira mais efetiva, mas como se trata de uma bebida com mais de 40% de álcool temos alguns desafios extras que esse estudo nos ajudará a vencer”, diz.

A University of Notre Dame é uma das 100 melhores universidades do mundo e o trabalho será entregue até o fim do ano.

Sobre a Kalvelage
Produzida em Botuverá (SC) pela empresa Kalmae, a Vodka Kalvelage chegou ao mercado em novembro de 2013 como opção nacional em bebidas ultrapremium. É fabricada a partir de cereais brasileiros e o produto final possui uma graduação alcoólica de 40%.

Em 2015, foi a única vodka da América Latina a receber medalha de ouro no San Francisco World Spirits Competition. No ano anterior, foi a única brasileira premiada na mesma competição com uma medalha de prata e a única das Américas premiada com prata no Hong Kong International Wine and Spirits Competition 2014.

A vodka está disponível através de distribuidores nos estados de Bahia, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e São Paulo, com expansão prevista para outros estados em curto prazo.

Maurício (E) e Marcos (D) Kalvelage com os estudantes que visitaram a fábrica, em Botuverá (SC). Imagem: Divulgação

Maurício (E) e Marcos (D) Kalvelage com os estudantes que visitaram a fábrica, em Botuverá (SC). Imagem: Divulgação

Facebook
LinkedIn
Instagram