Ecotag aumenta capacidade produtiva com foco em sustentabilidade e autenticação de produtos

Pouco mais de um ano depois do início da operação de produção de lacres de autenticidade, a Ecotag investiu para duplicar a sua capacidade produtiva. Sediada em Santa Catarina, a companhia produzirá, a partir de janeiro, 7 milhões de lacres ao mês. Por enquanto, são entregues 3,5 milhões de peças mensalmente aos cerca de 350 clientes.

Outro investimento realizado pela Ecotag é a verticalização do processo, com a produção interna das ferramentas utilizadas para a produção. Através do maquinário próprio, os clientes terão mais agilidade.

Ecotag - 160609 - Junior Souza (Crédito Blink Studios) (7) (média)

O executivo da companhia, Junior Souza, comenta que os investimentos são fruto da demanda do mercado por produtos nacionais e sustentáveis. “Quando compra de um fabricante nacional, além do dinamismo que as operações internacionais não oportunizam, o cliente ainda está mais seguro em relação à credibilidade do fornecedor. Isso tem aumentado a procura pela Ecotag”, destaca.

A ampliação leva a empresa catarinense para a indústria 4.0, com automatização completa, processos sistematizados e aspectos de sustentabilidade ainda mais presentes. Os resíduos dos lacres são triturados e voltam a virar matéria-prima e as linhas que sobram se tornam enchimentos para almofadas que são comercializadas e tem a renda revertida para um projeto de estímulo ao empreendedorismo.

Novos mercados
O maior mercado atendido ainda é o das indústrias de confecção. Mas o executivo da Ecotag acredita que outros segmentos devem aderir ao lacre para proteger as suas marcas. “Já temos clientes dos segmentos casa, mesa e banho, por exemplo. O lacre de autenticidade é uma solução incrível porque é simples a ponto do consumidor conseguir buscar na hora da compra para assegurar que está comprando um item genuíno e tem a produção altamente complexa para proteger as indústrias”, finaliza Junior.