No Brasil, 38% dos negócios de impacto social atuam com educação

Manter a qualidade de ensino na sala de aula está longe de ser uma preocupação exclusiva de pais e educadores. Um estudo promovido pelo instituto Inova Social mostrou que o setor tem atraído também a atenção de negócios de impacto social. Segundo a pesquisa, 38% deles desenvolvem algum tipo de produto ou serviço para o segmento.

É o caso da Playmove, de Blumenau (SC). A marca criou a mesa digital interativa PlayTable. Com games educativos que são desenvolvidos com diferenciais que potencializam o aprendizado e facilitam a inclusão de crianças com deficiência no ensino, o produto já está em mais de 800 instituições, chegando a mais de 300 mil crianças.

São mais de 50 jogos disponíveis, que abordam temas como português, matemática, ciências, educação financeira, inglês e até lógica de programação. Desenvolvidos com o apoio de educadores, os games auxiliam em questões coordenação motora, linguagem, interpretação e raciocínio lógico. Cada escola pode adquirir os jogos que melhor se adaptem à sua realidade e tem a opção de atualizar o portfólio sempre que necessário. Em 2017, a Playmove lançou os primeiros livros digitais em Libras do país, para facilitar a inclusão de estudantes surdos na atividade de contação de histórias.

Ainda neste ano a startup ficou entre as 10 semifinalistas americanas de um dos maiores concursos de empreendedorismo em educação do mundo. No início do mês, apresentou, no México, os diferenciais da marca para avaliadores do Global Edtech Startup Awards, iniciativa de grandes organizações, como as incubadoras de startups da área educacional MindCET (Israel) e a Open Education Challenge (UE).

“Empreender é uma jornada desafiadora, mas a educação é um território muito amplo. Acreditamos que dá pra ir além, fazer diferente, oferecer uma proposta que alie o brincar e a diversão com a aprendizagem. Os nossos jogos são baseados na ludopedagogia, que é justamente essa atitude de trazer o universo das crianças para a sala de aula. A PlayTable é também um investimento com ótimo custo-benefício, já que pode ser compartilhada pelas crianças e é multidisciplinar”, explica Marlon Souza, CEO da startup.

Parceria para disseminar conhecimento
Foi a preocupação com a segurança do filho que fez o empreendedor Eliandro Maurat criar o Clubinho Salva Vidas. A plataforma online com uma série de jogos educativos encontrou na falta de estrutura das escolas uma barreira para a disseminação da proposta. Para driblar esta dificuldade, a empresa anunciou recentemente uma parceria com a Playmove.

A partir de agora, nove games criados por Eliandro estão disponíveis no catálogo da PlayTable. Eles trazem temáticas como cidadania, cuidados com o meio ambiente, segurança infantil e educação no trânsito, que poderão ser compartilhados por crianças a partir dos cinco anos e apoiar também no ensino básico.

“Quando criamos os jogos do Clubinho Salva Vidas encontramos grande dificuldade para que as instituições de ensino pudessem utilizar os games como ferramenta de educação. Foi então que vi uma entrevista do Marlon e fiquei encantado com o projeto. Percebi que essa parceria seria ideal para disseminar nosso portfólio. Acho a proposta da PlayTable sensacional, inovadora e inclusive ajuda crianças com deficiências físicas e motoras. É muito mais fácil aprender brincando, as crianças amam jogar”, explica o fundador do Clubinho Salva Vidas.

Na PlayTable estão disponíveis ainda 15 clipes musicais com os mesmos temas dos jogos do Clubinho para crianças a partir de dois anos. A plataforma de Eliandro já conta com mais de 200 mil acessos no portal de jogos e mais de 800 mil visualizações no canal do Youtube.

Sobre a PlayTable
Criada para aliar tecnologia, educação e diversão, a PlayTable é uma mesa digital, interativa e multidisciplinar que pode ser utilizada por crianças a partir dos três anos de idade. Os jogos são criados a partir das matrizes curriculares e desenvolvem habilidades cognitivas e de coordenação motora, além de conteúdos como alfabetização, matemática, ciências, artes, história, entre outros.

A estrutura é segura e simples, o que permite que as próprias crianças façam o uso do equipamento sem a necessidade da intervenção de adultos. Graças à tecnologia empregada no produto, ele é recomendado para utilização em programas de inclusão com crianças com dificuldades psíquicas e motoras.

Sobre a Playmove
Criada em 2013 em Blumenau (SC), a startup Playmove nasceu a partir da união de dois empreendedores das áreas de tecnologia e brinquedos educativos. O negócio deu origem a primeira mesa digital com jogos educativos do Brasil, a PlayTable. Foram três anos de pesquisa até que o dispositivo chegasse ao mercado. Em 2016 a startup recebeu menção honrosa na categoria Negócio de Impacto Social do Prêmio Empreendedor de Sucesso.