Como manter a saúde mental na quarentena

Nádia Fontes,
com a saúde mental e física em dia – por enquanto

Estar cem por cento do tempo – ou quase isso – em casa pode até parecer uma tarefa fácil, mas para muitas pessoas não é. Quem está trabalhando em regime de home office sabe que, mesmo no conforto do próprio lar, com a situação de isolamento social em que estamos vivendo, precisamos priorizar a saúde mental e emocional. Claro que sem esquecer da saúde física.

Para a psicanalista blumenauense, Christiane Theiss, é preciso estabelecer e reorganizar a rotina para não se deixar afetar por todos os problemas externos. “Estamos presenciando um período atípico para a humanidade e uma boa ferramenta para lidar com tudo isso é partir para o autoconhecimento”, diz.

Segundo ela, esta é uma questão pessoal e o método que funciona para mim, pode não ser eficaz para você. Por isso, a principal dica é começar a se observar. “O que você tem vontade de fazer? Quais atividades que te fazem bem? Do que e de quem você sente falta? Essas são algumas das questões que podemos nos perguntar até encontrar algo que nos satisfaça”, orienta.

A partir daí, eleger uma leitura para quem tem este hábito, praticar atividade física para movimentar o corpo e meditar para trabalhar o foco são algumas das sugestões da psicanalista. “Quem mora em casa pode aproveitar o quintal para se conectar com a natureza, praticar Yoga, cuidar das plantas. Em ambientes menores, como apartamentos, abra a janela, deixe o sol e a brisa da rua entrarem”, complementa.

Aqueles que têm dificuldade de se organizar e manter uma rotina saudável dentro de casa, podem procurar a ajuda de um profissional. Assim, a terapia online, é uma alternativa para enfrentar a ansiedade e manter a saúde mental neste momento.

Furb oferece atendimento gratuito por telefone

Uma iniciativa bacana que vai auxiliar muita gente de Blumenau e região veio do curso de psicologia da Furb. Isso porque os alunos iniciaram um projeto de auxílio à saúde mental da população neste período de isolamento social. 

A ação consiste em atendimentos gratuitos por telefone para quem sofre de transtornos psicológicos ou enfrenta ansiedade, depressão ou problemas de relacionamento com crianças e idosos. Com isso, trinta e oito alunos dos últimos semestres do curso estão envolvidos com o projeto. Os atendimentos ocorrem de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 20h. Interessados devem ligar para o telefone (47) 3321 0162. 

Facebook
LinkedIn
Instagram