Melz Assessoria de imprensa

Sebrae Vale do Itajaí registra aumento de 6,9% nos atendimentos em 2016
02/12/2016

A instabilidade econômica em 2016 trouxe resultados abaixo do esperado para os empreendedores e entidades brasileiras. Na maioria das regionais do Sebrae/SC, por exemplo, houve queda no número de ações e de procura por atendimento. No entanto, no Vale do Itajaí a realidade foi diferente. Apesar do corte orçamentário deste ano, a regional do Sebrae foi a única do estado a registrar aumento dos atendimentos.

Entre janeiro e outubro de 2016, 9.433 pessoas foram atendidas pelo Sebrae nas duas unidades (Blumenau e Rio do Sul) da entidade que abrangem 40 municípios da região – um aumento de 6,9% em relação a 2015. O coordenador do Sebrae Vale do Itajaí, Donizete Böger, acredita quer a crise estimulou a procura pelas ações da instituição. “O empresário da micro e pequena empresa, mais do que nunca, percebeu que é preciso estar preparado para enfrentar esse momento difícil e contar com subsídio para crescer assim que a economia começar a dar sinais de recuperação. Outra questão que pudemos observar é que a eventual queda de postos de trabalho fez com que muitos profissionais apostassem no sonho do próprio negócio e nos procuraram para começar essa nova fase de maneira estruturada”, avalia.

Nos dez primeiros meses de 2016 foram mais de 76 mil pessoas atendidas nas coordenadorias do Sebrae/SC espalhadas pelo estado. O número total representou queda comparado a 2015, em que mais de 90 mil pessoas passaram pela entidade em Santa Catarina.

Empreendedor catarinense otimista
O empresariado catarinense já percebe sinais de melhora na economia e está otimista em relação a 2017. Uma pesquisa recente divulgada pelo Sebrae/SC aponta que 56% dos empresários entrevistados acreditam na retomada do crescimento economia brasileira. Há quatro meses, o número era de 34%. Entre os pontos fortes do ano que contribuem para essa percepção, a entidade destaca a aprovação da lei Crescer Sem Medo, que beneficia os pequenos negócios do país. Alguns pontos entram em vigor já no ano que vem, como o aumento do prazo para parcelamento de dívidas, a regulamentação do investidor-anjo e o projeto do Salão Parceiro.

“Acredito que em 2017 continuaremos com resultados positivos em relação ao atendimento. O empreendedor vê no Sebrae uma instituição de apoio para que ele não só cresça mas também melhore a gestão do seu negócio e encontre a estabilidade na sua empresa”, conclui Donizete.