[19/10/2011] Levantar para que?

Há um ditado que diz que a necessidade é a mãe da criatividade. Pode até ser verdade, mas conforto e comodidade foram essenciais para muitas invenções que hoje utilizamos e não percebemos como seriam as coisas sem elas. Um exemplo claro é o controle remoto. Seu primeiro modelo surgiu em 1950 e tinha apenas um botão. Seu propósito? Remover a necessidade de ter que levantar-se para mudar os canais na televisão.

Apesar de a tecnologia para criar a primeira televisão tenha surgido em 1923, demorou quase três décadas para a invenção do primeiro controle remoto. E não era tão remoto assim. “O modelo, criado pela Zenith Radio Corporation, era conectado ao televisor por um fio. Além disto, possuía um único botão para trocar de canais, ou seja, para mudar o volume ou ligar e desligar o aparelho, a pessoa precisava ir até a TV”, explica Francisco Marengo, diretor técnico da Prime Home. Uma curiosidade sobre este modelo é seu nome: “Lazy bones”, ou “ossos preguiçosos”. “Não há dúvida de que o controle remoto foi inventado para quem gosta de ficar bem relaxado no sofá sem ter que se levantar”, brinca o diretor.

Cinco depois, a Zenith resolveu remover o fio, o que tornou o controle verdadeiramente portátil. O único problema era que a pessoa utilizando-o precisava ter boa mira. O “Flash-matic tuning” tinha o formato de uma pequena arma e funcionava como uma lanterna. Fotocélulas na TV eram iluminadas pelo controle, o que tornava possível desligar ou ligar o aparelho e o som e mudar de canais. “A desvantagem é que as fotocélulas não diferenciavam a luz do controle da luz de outras fontes. É possível imaginar as confusões que surgiam disto”, comenta Marengo.

Em 1956, surgiu outro modelo, o “Zenith Space Command”. Além de ser sem fio, possuía botões próprios para cada função. A tecnologia usada era a transmissão de ondas ultrassom. “O modelo era caro para a época. Foi com a introdução de transistores que a tecnologia barateou”, esclarece o diretor. Além dito, as ondas ultrassom estão em uma freqüência que podia ser influenciada por outros aparelhos na mesma faixa. Até mesmo alguns animais como cachorros se sentiam incomodados, graças a sua audição aguçada.

Mas a tecnologia evoluiu. Logo as TVs passaram a ter centenas de canais e mudar um por um não era mais um conforto e, sim, uma tortura. Em 1977, a ITT, a pedido da BBC, criou o Protocolo ITT infravermelho, o que possibilitou os controles que utilizamos até hoje. Com a invenção de aparelhos de som, home theaters, players de DVD e outros eletrônicos, as casas começaram a ter controles demais. “Foi então que surgiram os primeiros modelos universais. A automação é a área que mais os utiliza, pois hoje é possível não controlar apenas um mídia center, mas todas as áreas da casa, desde cortinas elétricas até iluminação e som ambiente”, exemplifica Marengo.

E qual modelo é a estrela da atualidade? “A resposta é simples: nenhum. Graças à automação é possível não precisar de nenhum controle. Hoje em dia integramos o sistema a iPhones, iPods e iPads, por exemplo. Claro, existem controles universais, mas a tendência minimizar o número de aparelhos que se carrega. Se você já tem um celular que está sempre no bolso, por que você iria querer mais um controle para o resto?”, finaliza.

[12/04/2011] O futuro é agora e ele está ao nosso alcance

Automação é a área da Prime Home. Um toque para apagar todas as luzes, home theater e projetor ligarem em conjunto e sua sala de estar virar um cinema é o que fazemos. Falamos em uma matéria anterior sobre o Control 4, o software utilizado para tornar isso tudo possível. Francisco Marengo, diretor técnico da empresa, comentou sobre as possibilidades de um sistema como esse e como é possível automatizar quase tudo.

Em uma outra matéria que saiu no dia 5 de abril no Uol Tecnologia, foi demonstrado um apartamento com estas tecnologias em ação. Francisco Marengo havia falado em nossa matéria sobre o uso de iPhone, iPod e iPad na utilização do Control 4. Nesta matéria do Uol Tecnologia, é possível ver o uso de leitores biométricos integrados ao sistema para aposentar chaves. O controle de quem entra em casa, como a empregada doméstica, fica fácil e seguro. Através do controlador, seja um iPad, iPhone ou iPod, você pode acessar as câmeras do ambiente à distância e ver o que se passa dentro do apartamento.

“É interessante ver tudo em funcionamento principalmente para demonstrar que não é um sistema disponível apenas para milionários. Como aparece na própria matéria, o alvo é a classe média e a iniciativa de ser vendido o apartamento com estas tecnologias direto da planta demonstra que esse é o futuro e ele já está ao alcance”, comenta Francisco. “Resta esperar para ver se as construtoras começarão a oferecer esses sistemas na planta como um diferencial”, finaliza.

Na matéria, você também vê um vídeo que mostra o funcionamento da automação no apartamento. Você pode ver tudo na íntegra clicando aqui.

[17/03/2011] Quem quer ser onipotente?

Você chega em casa e quer ligar a televisão para assistir o jornal. O problema é que há quatro controles na sua frente. Um serve para aumentar o volume, o outro para ligar a televisão. Sobra mais um para mudar o canal e se quiser ligar o ar-condicionado, vai ter que buscar o outro. Francisco Marengo, diretor técnico da Prime Home, fala sobre as possibilidades do Control 4, o software de automação mais usado no momento.

Parece uma imagem do futuro: você chega em casa, pega o seu iPhone do bolso e toca em um botão da tela. Automaticamente o ar-condicionado liga na temperatura certa, a televisão e o DVD entram em conjunto para tocar aquele show que você adora e as persianas se abaixam em conjunto com as luzes para dar aquele ar de cinema. Pode parecer algo vindo do futuro, mas não é. Com o Control 4, é possível utilizar a função chamada Custom buttons para deixar cenários pré-definidos, como o descrito acima. “É uma das funções mais procuradas na área de automação. A pessoa não quer se preocupar em ter que ligar vários aparelhos e configurá-los. A idéia de poder ter tudo pronto em apenas um toque, depois de um dia cansativo de trabalho, virou sonho de muita gente e que agora pode ser realizado”, fala Francisco.

Para funcionar, basta que o equipamento utilizado na automação possua conexão serial RS-232 ou infravermelho. “Outras possibilidades podem ser exploradas com equipamentos a parte como tomadas controladas, por exemplo. Você deixa sua cafeteira ligada na tomada e com o Control 4, você pode ligar ou desligar a tomada, tendo controle do aparelho”, explica o diretor técnico. Francisco diz que é possível automatizar praticamente qualquer coisa em sua casa através do software. “Utilizando equipamentos como estes, quase nada fica fora do alcance da automação. Nada impede você de ligar o ar-condicionado e baixar as cortinas do quarto para tirar uma soneca, enquanto você está na cozinha fazendo um café à distância”.

Para os fãs da Apple, as possibilidades estão em três aparelhos. Tendo um iPhone, iPad ou iPod, basta instalar e configurar o Control 4 e você elimina o uso de qualquer controle a mais. “A maioria dos nossos clientes acaba preferindo o uso de algum equipamento Apple por já possui um. Depois de terminar o projeto, configuramos o Control 4 e todo o controle da casa fica na mão dele”, finaliza Francisco.

Facebook
LinkedIn
Instagram