[11/01/2012] Com a palavra, Lisandro Hruschka

O ano mais fatídico finalmente chegou. Os maias previram que 2012 traz o fim de todas as coisas, mas os applemaníacos torcem pra que seja mentira, afinal, e o iPad 3? E o iPhone 5? Como ficam todas as novidades que os fãs da maçã esperam ano após ano? Para deixar o pessimismo de lado, resolvemos bater um papo com Lisandro Hruschka, técnico da Hi Soluções e Apple Certified Technical Coordinator, para saber o que ele acha que podemos esperar para os próximos meses.

Para quem gosta dos tablets, Lisandro acha que é hora do iPad 3. Seguindo uma lógica básica, dá para chutar que o aparelho será lançado ainda este ano, afinal, a primeira versão do iPad foi lançada em 2010 e o iPad 2 chegou às lojas no ano passado. “Claro, isto não quer dizer, necessariamente, que vai ser em 2012, mas as tecnologias em hardware estão surgindo cada vez mais rapidamente e a Apple anda bastante empolgada com a Siri. Quem sabe não decidem nos surpreender”, deixa o mistério no ar.

Na área dos portáteis, Lisandro acha que seria interessante se surgisse uma nova versão do MacBook Air. “Seria ótimo ter um portátil com a tela de 15” do MacBook Pro aliado a leveza do Air”, diz.

A verdadeira decisão que se espera é em relação ao Mac Pro. O poderoso desktop da Apple está há anos sem nenhuma mudança ou atualização. Lisandro acredita que as coisas podem mudar para melhor ou pior. “Eles podem anunciar alguma inovação ou podem simplesmente descontinuar a linha como fizeram com os servidores. Seria mais interessante ver alguma mudança no hardware ou ao menos na estética, pois o Mac Pro ainda é a powerhouse da Apple”, comenta.

Em relação ao iPhone 5, Lisandro acredita que os fãs podem esperar. A marca está investindo bastante na Siri. Ainda na versão beta, o aplicativo possui suporte apenas para inglês, alemão e francês, mas podemos esperar por várias outras línguas quando a versão completa for lançada.

Seguindo a onda dos softwares e sistemas operacionais, o Lion e a iOS devem receber atualizações, também. “Além das atualizações de segurança e correção, acredito que talvez seja a hora de um novo iWork. A versão mais atual é de 2009 e uma nova traria muitas novidades”, finaliza o técnico.

[20/07/2011] Francisco Marengo e Rodrigo Pamplona estiveram na Expo PredialTec 2011 e contam as novidades

Aconteceu em São Paulo (SP), durante os dias 12, 13 e 14 de julho, a Expo PredialTec 2011. A feira acontece anualmente e tem como foco a exposição de tecnologias avançadas em automação predial e residencial. O diretor da Prime Home, Francisco Marengo, e o engenheiro da empresa, Rodrigo Pamplona, compareceram ao evento para saber das últimas novidades na área de automação.

O diretor da empresa conta que a automação definitivamente veio para ficar. “Automação é uma tendência mercadológica. Isto é fato. O aumento de fornecedores, espaço físico e expositores cresceu muito em relação ao ano passado”, comenta. O aumento de visitantes também aumentou consideravelmente e palestras na Aureside (Associação Brasileira de Automação Residencial) bateram recorde de público.

Em relação às novidades demonstradas na feira, Rodrigo confirmou o que já era esperado. As tecnologias estão convergendo para tablets e celulares, solidificando o controle central de softwares como o Control 4. “O que começou como uma inovação se tornou um padrão no mundo da automação. As empresas estão aproveitando que hoje em dia todo  mundo possui um celular ou tablet. Para facilitar a vida do cliente, o controle central é transferido para o aparelho, evitando um controle específico apenas para aquela situação”, explica.

Francisco diz que uma das tendências atuais é a automação extendida para o condomínio, além de residências. A preocupação com sustentabilidade e economia de energia abriu espaço para tecnologias que ajudem nesse sentido. “É uma área que está tendo cada vez mais demanda e estamos preparados para atendê-la”, finaliza.

[19/04/2011] Estar aqui é estar entre amigos

Quando você vai à casa de amigos para um jantar, sua expectativa já é diferente do que quando vai a um restaurante, certo? Você pensa na privacidade, no conforto e num prato preparado especialmente para você. Desde 2006, quem é de Blumenau e região já pode ir a um lugar onde as diferenças entre um encontro em casa e num restaurante já não são tão grandes assim. O Figueira Restaurante surgiu com o intuito de ser uma grande celebração entre amigos.

O fundador do empreendimento, Caio Fontenelle, diz que a idéia de abrir um restaurante partiu do gosto por receber os amigos em casa. “Sempre gostei de cozinhar. Aprendi com a minha mãe, cozinheira de mão cheia”, conta o executivo. Todas as receitas do Figueira são dele. “Foi um processo natural e que deu muito certo”. São 166 lugares e uma média de 4.500 clientes ao mês

Caio diz que, desde o início, ele pensou em três características: qualidade de serviço, de produto e uma integração com o meio ambiente. Os dois primeiros, os clientes garantem que o Figueira tem de sobra. Mas quem repara nos detalhes do restaurante, percebe que o terceiro também. “Temos orgulho em dizer que não derrubamos sequer uma árvore. O empreendimento foi construído com madeira de reflorestamento, a água é esquentada no fogo da churrasqueira, recolhemos óleo de cozinha da comunidade para fazer sabão e biocombustível e reciclamos todo o lixo”, garante o executivo.

Todo esse cuidado se reflete nos jardins do Figueira, que estão sob a responsabilidade da Casa di Fiore. “É, com certeza, uma das nossas principais atrações”, afirma Caio. Ele diz que o impacto das pessoas quando observam o espaço é grande, especialmente para as crianças. “São elas que mais aproveitam. Alimentam os peixes, vêem frutas nos seus pés e brincam entre as folhas e flores”, complementa o executivo. “Mas os adultos não ficam de fora. Eles também se impressionam com algumas árvores e, quase sempre, quando vão embora, levam uma folha de manjericão, em um pé que está colocado na porta exatamente para que as pessoas vejam e conheçam”.

“A Casa di Fiore é uma parceira muito importante neste processo. Quem pretende ter um jardim como diferencial para os clientes, precisa pensar também em cuidar dele. E eles fazem este trabalho de forma muito eficiente. É uma parceria que, se depender do Figueira, vai durar por muito tempo”, comenta Caio.

Cardápio: uma atração a parte
Depois do primeiro impacto com o ambiente do Figueira, é o cardápio que completa a certeza que a casa é especial. Para começar, a casa criou o Clube da Cerveja. Os consumidores da bebida vão acumulando pontos a cada garrafa e trocam por brindes das próprias cervejarias. “Começou como uma brincadeira. No começo Trouxemos algumas poucas marcas diferentes do que o pessoal está acostumado, hoje são mais de 60 rótulos . A aceitação foi grande, a qualidade e diversidade das cervejas se tornou um dos nossos diferenciais”, explica Caio.

A carta de  vinhos, não é diferente. Além de grandes rótulos, o restaurante promove eventos que trazem a Blumenau grandes chefs de cozinha, que elaboram pratos com perfeita harmonização com vinhos.
E então, chegamos aos pratos servidos pela casa. “Uma das nossas premissas é: o que você comer aqui, será diferente do que em qualquer outro lugar”, diz Caio. E não é para menos. Entre os pratos que lideram os pedidos estão o Steak do Assador, a Picanha e a Costelinha com molho barbecue. Um dos diferenciais do Figueira é o corte da carne, que é feito no local.

Outro diferencial é o lançamento de dois cardápios por ano, um de verão e outro de inverno. O executivo do Figueira garante que, em maio, os freqüentadores terão surpresas nos pratos especiais para a estação mais fria do ano. “O inverno pede conforto. Por isso, trabalhamos com molhos especiais”, explica Caio, que adiantou um dos novos pratos. O Filé a Bohême, uma das novidades, é um filé mignon com molho de espinafre e catupiry que é servido depois de gratinado.

“Administramos pessoas, não lucros”
Quando perguntamos sobre as pessoas que trabalham no Figueira – hoje 23 – Caio não poupou elogios à equipe. E quem freqüenta o lugar sabe que não são exagerados. O segredo para essa conquista, para Caio, é baseado na motivação e no tratamento especial a carreira de cada um. “Administramos pessoas, não lucros. Queremos que as pessoas saiam daqui felizes, bem atendidas e com pratos de qualidade. Que tenham gostado de estar conosco. Assim, com certeza voltarão”, explica o executivo. “Por isso, trabalhamos com um ambiente sadio e com pessoas motivadas”.

Outra coisa que Caio destaca é a possibilidade de ascensão profissional que é oferecida no Figueira. “Muita gente entrou aqui sem saber cortar uma cebola, ou servir uma bebida. E isso não é ruim. Nossos profissionais não têm vícios de atendimento, aprendem a trabalhar do nosso jeito, como queremos que os nossos clientes sejam atendidos”, explica.

Mês de festa em Blumenau e novidade no Figueira
Todo mês de outubro, o Figueira fecha suas portas. O principal motivo é a proximidade com a Vila Germânica, local onde é realizada a Oktoberfest. Mas se engana quem pensa que é hora de descanso. É nesta época que são realizadas reformas na casa. “Os clientes já até sabem que na reabertura teremos alguma mudança”, diz Caio.

Para este ano, está prevista uma reforma no lago que corta o restaurante, a colocação de vidros, a reforma no jardim, além do cardápio novo de verão.

[06/01/2011] Começou 2011 e a Prime Home fala de quatro novidades que devem agitar o mercado

Começa um novo ano e esse promete muitas novidades. O diretor técnico da Prime Home, Francisco Marengo, comenta sobre quatro novas tecnologias que chegaram ou estão para chegar ao mercado brasileiro.

Ano passado mostramos como funciona a tecnologia 3D. Em dezembro foi lançada uma nova televisão 3D pela Toshiba que não necessita dos óculos especiais. Com o lançamento desta tecnologia por uma marca, pode-se esperar um aumento na quantidade de modelos disponíveis no mercado ao longo do ano. “A Toshiba lançou o primeiro modelo de 12 polegadas e isso certamente levará outras marcas a trazerem modelos similares. Não demorará para termos tamanhos maiores em qualidade ainda melhor”, comenta Francisco.

Outra tecnologia que foi novidade ano passado e está ficando cada vez mais popular é a televisão conectada. “Ano passado os televisores conectados chegaram a 21% das vendas de televisões no mercado mundial, segundo uma pesquisa da DisplaySearch. Pode-se esperar um crescimento rápido neste número neste ano já que é uma tecnologia cada vez mais procurada, principalmente para quem prefere não ficar na frente de um computador”, completa Francisco. Com a internet ligada ao televisor, é possível assistir vídeos no Youtube, acessar redes sociais, sites e ver e-mails.

Se você leu a matéria sobre videogames, você conhece o Kinect. O sensor de movimentos usado como controle no Xbox 360 revolucionou o mercado e também está se popularizando. Mas a restrição de usar apenas em um console resultou no óbvio: um sensor similar ao Kinect será lançado pela ASUS para uso no computador, chamado Wavi Xtion. O diferencial é o fato que ele é conectado a um televisor e um computador através de dois transmissores wireless.  Para Francisco, isso possibilita o controle de um televisor digital com internet, um sistema de entretenimento com computador na sala e várias outras configurações.

A novidade final é um aparelho que deve virar popular muito rápido devido ao baixo preço e alta praticidade. Um novo receptor de TV digital que grava a programação em até 2GB de espaço para depois ser transmitido para um computador. “Por ter interface USB e ser plug and play, não é necessário CD de instalação. Basta conectar ao computador e transmitir o que foi gravado”, finaliza Francisco. Em Santa Catarina, as cidades de Joinville e Florianópolis já contam com sinal aberto de TV digital.

“O ano promete ainda diversas novas soluções na área de áudio e vídeo para home theaters”, completa Francisco. “O período deve ser histórico para esta área”.

__________
Veja esta notícia também em:

Facebook
LinkedIn
Instagram