Três perguntas para: Ana Spengler, chef de cozinha

Conhecemos a chef, foodstylist e sommelière de chá Ana Spengler em 2016, no TEDxBlumenauSalon Gastronomia (clique aqui para ver o que ela compartilhou por lá). Começamos a acompanhá-la e o que Ana diz é verdade: ela só pensa em comida. E é ótimo ter por perto pessoas que se preocupam tanto com uma área fundamental na nossa vida, prazerosa para a nossa alma e importantíssima para a Melz: a gastronomia.

Confira nossas três perguntas para Ana Spengler!

1) A gastronomia está na moda?
Não sei se moda é a palavra apropriada, mas de fato, desde a virada do século a gastronomia passou a ocupar um lugar de destaque na cena cultural. Hoje é muito comum festivais de música, cinema, teatro, ente outros, reservarem um espaço a atrações gastronômicas. E, ao que tudo indica, é uma tendência que veio para ficar, porque cada vez mais o público expressa suas preferências, tem opinião sobre comida, acompanha chefs famosos na televisão e por aí vai.

2) Comida X medicalização do alimento: quem tem razão?
Esta questão remete ao eterno conflito entre chefs e nutricionistas. Falando genericamente se você considera apenas o aspecto saudável da sua alimentação terá de fazer algumas concessões à alimentos menos saborosos, e, vice e versa, e se o sabor é só o que importa provavelmente fará uma opção menos saudável. Então, é uma decisão pessoal, de acordo com a cultura alimentar da pessoa, estilo de vida e eventuais restrições alimentares.

Agora, na minha opinião, ao tratar o alimento como um “remédio” a pessoa acaba perdendo aspectos muito ricos da alimentação, que estão para além do sabor, como a textura, a apresentação e, é claro, todo o convívio social que acontece em torno da mesa.

3) De todas as tendências quando se fala em comida, qual vai ser a que vai chegar à nossa vida mais rápido?
Complementando a pergunta anterior, eu diria que a tendência que mais me chama a atenção na gastronomia hoje aponta para uma conciliação entre o saudável e o saboroso. Mas vai além disso: hoje o consumidor está despertando para a consciência da origem do alimento. E isso é algo que sempre foi muito valorizado pelos chefs consagrados da tradição européia, só que hoje essa consciência tem implicações de ordem econômica e ambiental, porque está relacionada com o tema da sustentabilidade – não se fala em alimentação hoje sem falar em sustentabilidade. E também acaba reforçando a preocupação com a qualidade nutricional do alimento, já que quanto menos processado, mais são conservadas as suas propriedades.